sexta-feira, 30 de julho de 2010

Medo

- Guria, esses dias fiquei com medo do motorista do táxi que peguei para ir pra casa.
- Por que? Ele tentou te estuprar???
- Não, guria. Ele me falou umas coisas.
- Tá, mas tipo o quê?
- Eu tinha enchido a cara num bar e achava que tava parecendo feliz. Aí o cara olhou bem pra mim e disse: "tu tá triste porque terminou com o namorado, né?"
- Sério? Tem certeza que não é um conhecido? O cara podia estar te sacaneando.
- Nunca vi na vida. Mas já fiquei com a pulga atrás da orelha. Fiquei mais assombrada quando ele se despediu de mim. Me deu um conselho. Disse que, se eu tava em dúvida, era melhor terminar mesmo. Que quando é amor, a gente reconhece de longe.
- Talvez seja bom levar em consideração, amiga.

quinta-feira, 22 de julho de 2010

Eu torço pro Mano!

Aula de Telejornalismo na Unisc, em 2002, pouco antes da tranferência para a UFSM. Eu e a colega Cátia colocamos a cabeça para funcionar. Precisávamos de uma pauta para a reportagem que renderia a principal nota para o semestre.
Não lembro qual foi a nossa nota. Mas o trabalho de faculdade, graças à Cátia  me apresentou um cara massa, mesmo.
- O Guarani tá com um baita técnico. O cara é motivador, e é brabo que só ele. Tem o estilo do Felipão. A gente acompanha a final do Campenato Gaúcho, vai ser em Venâncio, e mostra a emoção dele na borda do campo!
A Cátia entendia de futebol. Eu nem sabia em que série o Guarani jogava. Nem quem era "o tal do Mano Menezes". Meu pai, na época, adiantou que o homem era bom, mesmo. Tinha nascido em Passo do Sobrado e ainda ia fazer nome.
- Dizem que o senhor é parecido com o Felipão. O que acha disso?
- Quem não gostaria de uma comparação dessas? Ele é o melhor técnico do mundo, hoje. Fico feliz. Mas é bondade das pessoas.
O jogo da final foi tenso e o cara gritava e gesticulava fora do gramado. O Guarani saiu vencedor.
Eu nunca guardei as imagens da reportagem que a gente fez. Eram do tempo do videocassete. Mas a imagem daquele cara simples e engajado com a equipe não me saiu da cabeça.
A minha torcida pra técnico da seleção? Vai, Mano Menezes!

quinta-feira, 8 de julho de 2010

Mas por quê?

Que fique claro que sou pacifista. Que levantamo a bandeira contra toda e qualquer forma de violência. E que nada, nada, nada justifica agressões físicas e psicológicas, quanto mais o assassinato de qualquer pessoa. Dito isso, quero deixar uma pergunta no ar.

O que é que leva uma mulher que já foi agredida, que é ameaçada, que é praticamente obrigada, contra a vontade, a fazer um aborto, a continuar se encontrando com um cara? Será amor? Paixão?

A ex-amante do goleiro Bruno, do Flamengo, Eliza Samudio, aceitou se encontrar com ele, em Minas Gerais, mesmo após registrar queixas por sequestro, ameaça e agressão. A promessa do jogador era assumir o filho que os dois têm em comum. Desaparecida desde junho, a suspeita é de que ele tenha participado do sumiço e, talvez, assassinato da jovem.

Eu tenho um palpite. As mulheres, em geral, acreditam que podem mudar os caras pelos quais estão apaixonadas. Eu acredito em mudanças. Mas só nas que vêm de dentro. Ninguém muda ninguém.

quarta-feira, 7 de julho de 2010

Foto: Caio Marcelo

Barra da Lagoa. Redes do rancho de pesca do grupo Saragaço secam ao sol. E uma papagaia de pirata perambula na praia.